(tempo de leitura: 6min30seg)

Quando decidimos colocar o nome de nossa empresa de ‘Bambu33’, confesso que senti um pouco de desconforto. A princípio, não soava comercial e não se identifica de bate pronto o que a marca entrega. Mas seria muito hipócrita da minha parte vetar o nome por conta disso, uma vez que toda nossa metodologia, independente do serviço que será prestado, primeiro de tudo trata de resgatar ou aflorar a essência, a identidade organizacional de nossos clientes.

 

Colocando-me na posição de terceira pessoa, consegui olhar de fora e ter certeza que Bambu33 seria o melhor nome para nossa empresa. Cada característica do bambu corresponde a detalhes do formato que determinamos para nosso negócio e que também se verificam em nossa missão organizacional. Encontramos um paralelo perfeito para representar o que de mais precioso entregamos a nossos clientes: valores concretos, que não ficam só no blá blá blá.

 

Fazemos um estudo com nossos clientes que é riquíssimo nesse aspecto. Conseguimos resultados muito impactantes, pois mexemos em um terreno pouco ou nada abordado, mas que é combustível e motor para todo negócio.

 

Na página ‘Nossa Essência’ colocamos um pouco (para um site colocamos até demais) do significado do bambu para nós. Aqui, a proposta não é repetir essa inspiração, mas abordar a resiliência do bambu, a maior lição que ele entrega, uma vez que todas as características somadas potencializam esse poder.

 

Decida ser resiliente e aproveite cada potencial para colaborar com essa decisão. Independente do seu negócio, sua missão é ser útil – tenha isso sempre no foco.

 

A metáfora encaixa para empreendedores que pensam em começar algo novo, para aqueles que já tenham começado e passam por dificuldades nos negócios e também para os que vivem as dores e as delícias de liderar um time. A responsabilidade de ‘dar conta’ é um peso que suaviza e flui quando existe organização e comunicação planejada, direcionando os negócios rumo ao sucesso.

 

 

 

Uma gramínea que supera o padrão

O bambu é um tipo de gramínea que atinge, em média, de oito a 15 metros de altura, mas há espécies que não ultrapassam 15 centímetros e outras, como o Bambu-moso, que pode chegar a 75 metros de altura. O mais impressionante é a rapidez no seu crescimento: há registros de um único broto que cresceu um metro em um dia, ou seja, quatro centímetros por hora. Interessante saber que, por mais longa que seja sua vida, podendo ultrapassar 100 anos, depois de maduro o bambu não cresce 1 milímetro sequer, pois sua energia é direcionada para a formação de novos brotos e com isso, formar as touceiras, que vemos por aí.

Esse poder de crescimento linear e de crescimento coletivo deve ser modelo para todo empreendedor, pois quando coloca-se energia para crescer também o ambiente em que nos estabelecemos, é possível transbordar e alcançar o crescimento coletivo, que favorece uma cidade, uma região, um País. O que seria de um bambu único comparado a uma touceira que oferece segurança, sombra, frescor, beleza e ainda impacta todo solo a seu redor?

 

Raízes tem função que extrapola o autocuidado

Essas plantas tão altas, que crescem rápido, sabem esperar. Depois de plantada a semente, não se vê nada por longos cinco anos, pois todo o crescimento no início é subterrâneo. Uma maciça e fibrosa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra é construída com esmero, pois a raiz do bambu tem duas funções principais: a base, que é extrair água e nutrientes para o bambu usar para si e uma secundária, que é ajudar sua perpetuação e nutrição do solo ao seu redor, criando novas ramas para que ele cresça e fortalecendo também todo o ambiente.

Nas florestas de bambu, a estrutura das raízes se agrupa em um ramo denso que pode se estender por centenas de quilômetros, colaborando com o fortalecimento de todas as demais espécies vegetais que ali se encontram. Esse sistema fortalece o solo, a região e não permite que o bambuzal ceda. Nunca.

 

Que coisa mais linda e inspiradora! Estruturemos nossas empresas com qualidade, organização, alimentando com informações, nos comunicando com todos ao nosso redor e envolvendo parceiros, para fortalecer nossos negócios!

É graças a essa estrutura bem enraizada e com o corpo leve e resistente dos brotos, que o bambuzal consegue ser tão flexível e forte, resistindo tanto ao calor excessivo do sol quente do verão tropical, quanto ao peso da neve que o enverga no inverno, mas depois se derrete e ele volta novamente à altura original.

Essa resiliência é essencial no mundo dos negócios. Há quem brilhe e encontre seu unicórnio, mas a maioria enfrenta dificuldades. Vencem, aqueles que trabalham, investem tempo, esforços, fazem tudo o que podem para nutrir seu crescimento, e, às vezes não vêem nada por semanas, meses, ou anos, mas não se negam continuar e buscam na própria base forte, o sustento.

O diâmetro do corpo do maior bambu é estreito em comparação a muitas outras árvores, mas ele resiste a todas as estações e, por vezes, são os únicos a se manterem ‘em pé’ após uma tempestade.

 

Toda a resiliência impacta na UTILIDADE

 

Oco, leve, resistente, com crescimento rápido, estrutura sólida, flexível, resistente a todas as intempéries. Estas características que explicam a resiliência do bambu fazem com que sua utilidade possa ser aproveitada.

 

O bambu serviu de alimento para animais por milhões de anos, hoje é empregado como biomassa para a produção de energia, material de engenharia civil e arquitetura, serve de canal para levar água, sinônimo de vida, para qualquer lugar. Pode ser utilizado para construir embarcações, telhados, matéria-prima para móveis, objetos de decoração e papel, entre outras finalidades.

 

Diferente de sermos usados, sermos úteis na nossa sociedade é o segredo da longevidade do sucesso!  Que, assim como o bambu, atualizemos sempre nossa utilidade e possamos ser agentes de transformação para a evolução do ambiente que nos cerca e, claro, para o aprimoramento contínuo de nós mesmos e nossos negócios.

 

____________

Com informações e imagens dos portais: Everything Speaks, Revista Globo Rural, Diario de Biologia, Pixabay, Getty Images, Gazeta do Povo, Ciclo Vivo e Jornal do Empreendedor